Bola na mão ou mão na bola...

Foi bola na mão ou mão na bola o que aconteceu a Emerson no Braga-Benfica e ao jogador do Leiria em

A lei doze (12) das leis de futebol fala exclusivamente das faltas cometidas por mão na bola e das faltas que o não são por bola na mão. E diz textualmente o seguinte:

"Tocar a bola com as mãos implica um ato deliberado em que o jogador toma contacto com a bola com as mãos ou com os braços. O árbitro deve ter em consideração os seguintes critérios:

- o movimento da mão na direção da bola (e não a bola na direção da mão);

- a distância entre o adversário e a bola (bola inesperada);

- a posição da mão não pressupõe necessariamente uma infração;

- o facto do contacto com a bola ser feito com um objeto que tem na mão (peça de vestuário, caneleira, etc.), não deixa de constituir infração.

- o contacto com a bola ser feito através de um objeto lançado com as mãos (bota, caneleira, etc.) também constitui infração."

Sendo assim compete ao árbitro ajuizar se o contacto de bola com a mão, o braço e antebraço são considerados como fazendo parte da mão, é ou não voluntário, se é mão na bola, o que não será falta, ou bola na mão, que é falta passível de livre direto ou grande penalidade se o ato for cometido dentro da grande área do jogador que o faz. Ora, este juizo pode ser muito subjetivo e é passível de erros e enganos que, agora com as imagens televisivas e tantas repetições dos lances, são facilmente identificados e os árbitros são sempre os culpados das situações.

Talvez por isso os árbitros portugueses estão a adotar o critério de marcar penalti em todas as situações em que há contacto da bola com a mão. Sempre que isso acontece, ultimamente, é penalti. Os árbitros não querem saber se o jogador está de costas e nem vê a bola, se está em queda e instintivamente procura defender-se e a bola lhe toca, é penalti e nada a fazer. Está correto? É que se o arbitro marca penalti o erro pode ser menor, pois como o ato é tão subjetivo vai ter sempre a favor uma grande parte dos adeptos do futebol. Mas se não marca, a decisão é só dele e se se prova que era mão na bola, é crucificado. Mas será que é correto marcar sempre?

Foi bola na mão ou mão na bola o que aconteceu a Emerson no Braga-Benfica? Foi mão na bola ou bola na mão o que aconteceu ao jogador do Leiria no último minuto do jogo entre o Sporting e o União de Leiria? Quanto a mim, e é só a minha visão, nem um lance nem outro são passíveis de penalti. E porquê? Porque Emerson está de costas quando a bola lhe bate, não a vê e não é deliberado o contacto. E porque o jogador de Leiria está em queda, não controla o braço ao tentar defender-se da queda e a bola só lhe toca involuntariamente. Ora esses dois casos estão integrados na lei que transcrevi acima. Sendo assim porque foram marcados penaltis? Quem concorda ou discorda?

Notícias: 1ª Liga