João Ferreira recusa arbitrar Beira-Mar-Sporting

Árbitro de Setúbal pediu escusa, por causa das críticas que o clube leonino tem lançado à arbitragem

O árbitro João Ferreira recusou-se a apitar o Beira-Mar-Sporting deste domingo, a contar para a segunda jornada do campeonato e para o qual estava designado.

Em primeira instância, pensava-se que a decisão do juiz de Setúbal se deveria às críticas que Godinho Lopes, presidente do Sporting, endereçou à arbitragem portuguesa. No entanto, a APAF avança que a recusa do árbitro foi dada a conhecer ao Conselho de Arbitragem esta quinta-feira, ou seja, antes das palavras do dirigente leonino.

De acordo com a Rádio Renascença, João Ferreira está disposto a voltar atrás se o Sporting se retratar.

A Comissão de Arbitragem da Liga vai nomear um substituto esta sexta-feira. Jorge Sousa é o único internacional em condições de ser nomeado.

Entretanto, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), confrontada com a anunciada recusa do árbitro João Ferreira em dirigir o jogo Beira-Mar-Sporting, apelou hoje “à serenidade”.

De acordo com uma fonte da LPFP contactada pela Agência Lusa, este organismo apela “à serenidade de todos os agentes no sentido de proteger a integridade das competições para que estas possam decorrer com normalidade”.


A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) lançou um comunicado no seu site oficial a propósito desta situação.

 

"A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, ao tomar conhecimento da posição do nosso colega João Ferreira, de não arbitrar o jogo Beira Mar – Sporting Clube de Portugal, da 2ª jornada da Liga Zon Sagres, já comunicada ao CA da LPFP, para o qual está nomeado, devido às noticias vindas a público sobre a sua designação, notícias essas que mais não visam do que criar um ambiente de grande instabilidade à volta do jogo, contribuindo de forma séria para condicionar a actuação da equipa de arbitragem, situação que não podemos aceitar.

Assim, manifesta a sua total solidariedade para com o nosso colega e a sua equipa de arbitragem, colocando-se à inteira disposição para todas as acções que os mesmos entendam levar a cabo.

Entendemos ainda, que é necessário que a Comissão de Arbitragem da LPFP, demonstre de forma inequívoca e pública, que está solidária com os Agentes da arbitragem que estão sobre a sua dependência funcional, para que não subsistam dúvidas do seu empenhamento na sua defesa, para prestígio da arbitragem portuguesa.

Alertamos, mais uma vez, todas as entidades com responsabilidade no futebol português, bem como os seus Agentes desportivos, Dirigentes, Jogadores e Treinadores, no sentido de criar todas as condições, para que as competições possam decorrer com toda a normalidade, sendo certo que os Árbitros não aceitarão, que sejam utilizados, para disfarçar situações para as quais são totalmente alheias.

 

Lisboa, 19 de Agosto de 2011"

Notícias: 1ª Liga