Liga: Clubes discutem castigos mais duros para a corrupção

A AG desta segunda-feira, no Porto, promete ser longa e com muita discussão. Com os casos "Apito Dourado" e "Apito Final" ainda a ferverem na actualidade do futebol português, os clubes serão chamados a votar a nova proposta disciplinar da CD. Os castigos mais severos que a CD liderada por Ricardo Costa pretende impor poderão não suscitar a unanimidade dos emblemas.Entre as medidas previstas na proposta de alteração ao actual Regulamento Disciplinar está a pena de exclusão das competições profissionais para os clubes que corrompam a equipa de arbitragem, além de multa que pode ir até aos 200 mil euros. A corrupção tentada será sancionada com a descida de divisão, além das sanções pecuniárias adicionais.A CD pretende também introduzir nas normas disciplinares a infracção de tráfico de influências, que não está prevista no actual Regulamento. Neste caso os clubes que usem o poder dos seus dirigentes para obterem favores incorrem na pena de despromoção ou na perda de 18 pontos e derrota no jogo ou jogos influenciados quando estiver em causa a forma tentada de influência. Os dirigentes desportivos arriscam suspensões de um a cinco anos.Já quanto aos casos de corrupção, a CD quer impôr a suspensão dos dirigentes infractores por um período de dois a 10 anos.Em debate na AG estará ainda a ideia de punir os clubes com salários em atraso com a perda de pontos já a partir da próxima época.
A impossibilidade de inscrição dos emblemas com incumprimentos salariais será igualmente analisada.Susana Valente

Notícias: 1ª Liga