Os mal-amados

Quais os motivos do desfasamento entre a eficácia demonstrada por alguns avançados e a paixão dos ad

Ao longo da história do futebol vários avançados, apesar de se revelarem temíveis marcadores, nunca caíram no goto dos adeptos. Explicações não existem, porque o rendimento de um avançado, em última análise, avalia-se pelos golos que marca.

Nos dias de hoje a incompatibilidade de Cardozo com grande parte da massa adepta encarnada é notória, mas outros jogadores nos mais diversos clubes e seleções foram sempre encarados com desconfiança e até desagrado, apesar dos golos que marcavam. Pauleta, outro exemplo, foi sempre mal-amado na seleção (ao contrário do que acontecia nos clubes onde atuava), ao invés de Peter Crouch, querido na seleção e indesejado nos clubes que representou.

Quais os motivos deste desfasamento entre a eficácia demonstrada e a paixão dos adeptos?

Na minha opinião, a maioria das vezes tem a ver com a falta de estética de alguns avançados, preferindo os adeptos jogadores como Falcão a Jardel, Miccoli a Magnunson ou Acosta a Yordanov. Será, talvez por isso, que um dos melhores marcadores portugueses da última década (Bock) nunca tenha tido uma oportunidade na 1.ª Liga.

Notícias: 1ª Liga