Agostinho Oliveira: não pudemos contar com o melhor Quaresma


Agostinho Oliveira: não pudemos contar com o melhor Quaresma
Agostinho Oliveira considera que faltou maturidade à equipa portuguesa para ir mais longe no Europeu de sub-21 que decorre em Portugal. A equipa das quinas foi eliminada logo na primeira fase e o seleccionador refere que podia falar em «azar, mas tivemos alguma imaturidade», salienta. O treinador destaca também que «não pudemos contar com o melhor Quaresma» e assume as suas «responsabilidades», embora frisando estar de «consciência tranquila, porque não trabalho para o momento», alega. «Quando acumulo a formação e as vitórias, a riqueza é maior, mas formar os jogadores é a prioridade», justifica.


«Não fico atrapalhado por não ter ganho uma competição»
Coloca-se agora em dúvida a permanência de Agostinho Oliveira à frente da Selecção sub-21, especulando-se que poderá acabar a ligação que perdura há 17 anos com a Federação Portuguesa de Futebol. Sobre a eventualidade de uma saída, o seleccionador diz apenas «não faço ideia», salientando que são outros que devem fazer «o juízo dos meus resultados». «Não fico atrapalhado por não ter ganho uma ou outra competição. Isso é secundário, importante é dar novos valores, vir aqui a este campeonato a apresentar novos atletas», realça o treinador.
Relativamente à despedida de Portugal do Torneio com uma vitória insuficiente por 1-0 frente à Alemanha, Agostinho Oliveira refere que eram três os objectivos: «lutar pela conservação da nossa dignidade, ganhar o jogo e conseguir passar às meias-finais. Só não alcançámos o último destes objectivos», destaca.
No rescaldo do campeonato, o seleccionador analisa que Ricardo Quaresma não teve «uma boa prestação, porque sentiu tudo aquilo que se passou à volta dele. É muito jovem, mas foi afectado pela situação em que se viu envolvido», diz referindo-se à ausência do jogador portista da lista de Scolari para o Mundial.

Certeza para o futuro
E quanto à diferença de resultados entre a fase de qualificação, em que Portugal passou invicto, e a fase final do Europeu, Agostinho Oliveira nota que o apuramento foi feito «num quadro competitivo completamente diferente. As outras Selecções não tinham a qualidade das que estão aqui», evidencia, salientando que as que vieram a Portugal «são todas muito fortes, extraordinárias».
De qualquer modo, o treinador diz que há uma «certeza» para o futuro. «Quase 70 por cento desta equipa vai fazer o próximo Europeu», nota, salientando que «ainda podemos fazer crescer estes jovens que estão aqui».

Foto: Agência Lusa