Madaíl: quando jogamos em casa as coisas não correm bem


Madaíl: quando jogamos em casa as coisas não correm bem
Gilberto Madaíl considera que «não se pode avaliar a Selecção» exclusivamente pela prestação no Campeonato da Europa de sub-21. A equipa das quinas foi eliminada logo na primeira fase da prova que decorre em Portugal e o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) lembra a qualificação para o Torneio e «o trajecto de 12 jogos [sem perder] que é preciso não esquecermos». O dirigente nota ainda que «de cada vez que jogamos em casa as coisas não correm bem», frisando que parece «mais fácil ganhar Taças e campeonatos fora» de portas.

Agostinho com contrato até 31 de Julho
Sobre o futuro de Agostinho Oliveira à frente da Selecção de sub-21, Madaíl refere que «todos os técnicos que trabalham nas Selecções portuguesas têm contrato até 31 de Julho», realçando que é preciso «reavaliar as situações todas». O presidente da FPF assegura contudo que «não vamos esquecer o trajecto que as pessoas têm tido nas Selecções».
E sobre a desilusão da participação portuguesa num Europeu para o qual havia muitas expectativas, Madaíl destaca que
«nunca disse que Portugal seria campeão da Europa». «Não estamos a jogar sozinhos», salienta, frisando que há «equipas com mais mais potencialidades do que nós, com mais capacidade de escolha do que nós». De resto o dirigente da Federação defende que «não nos podem exigir que Portugal ganhe tudo», lembrando as provas em que outras Selecções têm participado com êxito. Madaíl fala do apuramento da Selecção de sub-19 para o Campeonato da Europa, onde terá a possibilidade de qualificar-se para o Campeonato do Mundo, prova onde temos primado pela ausência nos últimos anos. Além disso nota que o «terceiro lugar de Toulon é um lugar de pódio e que não envergonha nada ao futebol português», refere.