Benfica ganha 4-0 ao Estoril e já lidera

No regresso a casa fez-se Luz com 15 minutos à Benfica.

  O Benfica recebeu e venceu o Estoril por 4-0, no arranque da 1ª Liga nacional. Os encarnados entram com o pé direito na defesa do título de campeão, e almejar o tricampeonato. Agora sob a batuta de Rui Vitória.

  Esta é a primeira vitória de Rui Vitória no comando do Benfica, e logo com goleada.

 

Na ficha de jogo, estavam presentes os seguintes nomes:

Árbitro do jogo: Tiago Martins de 35 anos, natural de Oeiras e registado na Associação de Futebol de Lisboa.

 

Onze do Benfica: Júlio César; Nélson Semedo, Lisandro e Luisão, Eliseu; Fejsa e Pizzi; Ola John, Gaitán, Jonas e Mitroglou 

Banco: Ederson, Samaris, Gonçalo Guedes, Jonathan, Sílvio, Talisca, Víctor Andrade. 

Treinador: Rui Vitória

 

Onze do Estoril: Kieszek; Anderson Luís, Yohan Tavares, Diego Carlos e Mano; Taira, Chaparro, Babanco; Sebá, Gerson e Léo Bonatini.

Banco: Rúben Dionísio, Diakhité, Billal, Esiti, Bruno César, Mattheus e Matheuzinho.

Treinador: Fabiano Soares

 

1ª parte: Com Carcela, Taarabt, Cristante, Jardel e Salvio no “estaleiro”, Rui Vitória apostou novamente em Ola John e Nélson Semedo na faixa direita, jogando desta vez com dois avançados de raíz (Jonas e Mitroglou). Pizzi sentou Samaris no banco.

O jogo começa até com um Estoril atrevido, a jogar com linhas altas e a querer chegar à área encarnada. O Benfica a espaços vai tomando conta do jogo, embora sem criar oportunidades de golo.

Primeiro cartão da partida mostrado a Lisandro López aos 17 minutos, por falta sobre Bonatini que sofre um toque em corrida.

Com Júlio César algo combalido, depois de um choque aos 19 minutos, onde teve até de ser assistido, o Estoril tenta a espaços chegar à frente, mas o guarda-redes brasileiro sempre a resolver com classe.

Aos 25 minutos grita-se golo na Luz, mas Mitroglou estava fora de jogo. Fica no entanto registado o lance de combinação entre o grego e Gaitán.

Sempre com perigo, aos 26 minutos Gerso tira Nélson Semedo do caminho, para já na área encarnada, Luisão cortar “in extremis” o lance.

A nova coqueluche dos encarnados, Nélson Semedo, vai jogando com personalidade, arrancando aplausos da plateia. Aos 32 minutos assiste Mitroglou, para este atirar com perigo, e ganhar o canto. O Benfica vai começando a criar ocasiões de perigo.

A grande oportunidade das águias chega pelos pés do seu capitão. Aos 41 minutos, Luisão remata no coração da área, e a bola embate na barra.

Dois minutos de compensação. Que deram ainda tempo para Bonatini quase facturar para os canarinhos. Estava lá o “Imperador”, uma vez mais a resolver com grande defesa.

O intervalo chega com o nulo no marcador.

 

2ª parte: A segunda parte começou com outra dinâmica dos encarnados, e com a interrupção da partida aos 48 minutos pelo fumo originado por um petardo. E como não há fumo sem fogo, logo no reatar da partida, Gerso falha por milagre o golo, com mais uma grande defesa de Júlio César. Anderson Luís vê ainda o amarelo por puxão a Gaitán no instante anterior.

O jogo desenrola-se sem interesse até à hora do jogo, quando Rui Vitória resolve tirar um infeliz Pizzi, e também Ola John. Entram para os seus lugares Talisca e o miúdo Victor Andrade. A faixa direita do Benfica é a da equipa B da temporada passada, com Nélson Semedo mais atrás.

Victor Andrade “saca” um amarelo a Sebá, com apenas 6 minutos em campo. A sua velocidade veio trazer dores de cabeça aos estorilistas. No minuto seguinte, o grego Mitroglou faz o primeiro ameaço, ao falhar de forma incrível o golo.

Aplausos para um estorilista quem entra em campo. Bruno César substitui o seu colega Gerso aos 71 minutos, num regresso à Luz. Mattheus entra em campo para substituir Anderson Luís no Estoril, logo no minuto seguinte.

E finalmente fez-se “Luz”. Com os famosos 15 minutos à Benfica, é o novo reforço dos encarnados, Mitroglou a marcar o primeiro golo oficial dos encarnados, e a abrir o livro na partida.

A partir daqui, o jogo foi diferente, e os encarnados partem para um vendaval de futebol, onde os canarinhos nunca mais se encontraram.

Quatro minutos volvidos, penalti de Mattheus, ao colocar a mão à frente da bola, num remate de Talisca, e o árbitro assinala de imediato. Jonas não perdoa. Mattheus vê o amarelo nesse lance.

Victor Andrade volta a “sacar” mais um amarelo a um adversário. Desta vez foi Afonso Taira a ser admoestado.

O mesmo Victor Andrade faz dois minutos depois, a assistência para o segundo golo de Jonas, e o terceiro dos encarnados.

84' Bruno César (Estoril) vê o cartão amarelo por falta sobre Talisca.

Mais um miúdo a ser lançado no jogo. Gonçalo Guedes entra para o Lugar de Mitroglou, e o Benfica acaba a partida com três jogadores formados no clube.

E foi um dos jovens oriundos do Seixal, que fechou o marcador. Numa jogada que começa com Victor Andrade, é o passe de Gaitán que permite Nélson Semedo estrear-se a marcar pela equipa principal do Benfica, logo na sua estreia na Liga.

O Benfica terminou o jogo com uma goleada, que coloca os encarnados na frente da classificação. 

  

 Registo disciplinar: Lisandro López (17’); Anderson Luís (48’); Sebá (67’); Gerso (71’); Mattheus (78’); Afonso Taira (80’); Bruno César (84’)

Notas finais: Depois de uma pré-época sem vitórias, e com a agravante da derrota com o Sporting para a Supertaça, esta vitória folgada veio trazer alguma confiança não só aos jogadores e equipa técnica, como principalmente aos adeptos. Estes, aliás, foram bastantes audíveis durante toda a partida. Apenas com o lado negativo dos fumos e petardos constantes, que irão com certeza valer a habitual multa ao clube.

Nota também para um Estoril personalizado, que vendeu cara a derrota, até ao minuto 74, quando Mitroglou desfaz o nulo. Pesada derrota para o que se jogou em campo.

 

Notícias: Benfica