Jesualdo Ferreira: "James não fará falta com o Benfica" (Exclusivo)

Antigo treinador de dragões e águias diz que "há jogadores tão bons e com mais experiência" capazes

Jesualdo Ferreira, antigo treinador do FC Porto (foi tricampeão nos dragões) e do Benfica, desvaloriza a ausência de James Rodríguez no clássico desta sexta-feira. O jovem extremo está castigado, após a sua expulsão com o Feirense. "James não vai fazer falta contra o Benfica! É um jovem com muito potencial, mas está longe de ser uma ausência de peso, pois o FC Porto tem jogadores tão bons e com mais experiência para a sua posição", defende, em declarações ao Relvado.

O técnico do Panathinaikos acha que o FC Porto é favorito para este confronto. "A jogar no Dragão, penso que a sua vitória é o resultado lógico, assim como seria lógico que o Benfica vencesse se a partida se disputasse na Luz. Mas isto é em termos teóricos, claro que um resultado num jogo de futebol é sempre imprevisível, ainda para mais entre estas duas equipas", sublinha.

Jesualdo Ferreira reconhece no entanto que o empate cedido pelo FC Porto frente ao Feirense pode ter alguma influência. "O Benfica ganhou motivação e o FC Porto talvez encare este encontro com mais preocupação. Por outro lado, se o FC Porto tivesse vencido o Feirense e em caso de novo triunfo com o Benfica, passaria a dispor de uma vantagem de cinco pontos, algo que já não irá acontecer", refere.

A grande proximidade entre as equipas (estão empatadas no primeiro lugar) e a fase muito precoce do campeonato, que vai entrar apenas na sexta jornada, são razões que levam Jesualdo a catalogar este desafio como "pouco decisivo", lembrando que "ninguém ganha um campeonato à sexta ronda". Ainda assim, destaca o facto de "uma derrota contra um dos grandes rivais ser encarada sempre com grande preocupação".

 

Quem pode decidir? Qualquer um!

Questionado sobre quais os jogadores em que aposta para decidir este clássico, Jesualdo Ferreira defende que "possivelmente será alguém de quem menos se espera, como já aconteceu em tantas ocasiões", lembrando que se trata de um jogo "com caraterísticas completamente diferentes dos outros".

Com dezenas de jogos entre as duas equipas no curriculum, Jesualdo Ferreira garante que a semana de preparação "é exatamente igual a qualquer outra, trabalhando-se da mesma forma". O que difere, reconhece, "é a grande motivação dos jogadores". Mas diz que "em termos táticos não é nestes dias que se vai inventar algo de novo".

Jesualdo Ferreira tem alguns clássicos especiais que não esquece. "Em primeiro lugar, o meu último jogo ao serviço do FC Porto, na penúltima jornada do campeonato de 2009/10. Ganhámos por 3-1 e impedimos o Benfica de ser campeão nessa jornada [sê-lo-ia na derradeira ronda, com o Rio Ave]. Também recordo uma vitória por 1-0 na Luz, com golo do Ricardo Quaresma [época 2007/08], num campeonato que acabámos com muitos pontos de avanço sobre Sporting e Benfica", lembra.

Pela negativa, o célebre "jogo dos túneis" de 2009/10, em que os encarnados venceram por 1-0, golo de Saviola, "no qual o Benfica foi ligeiramente superior, mas em que o empate talvez fosse mais justo".

 

Na Grécia é bem pior!

Jesualdo Ferreira garante que não vai estar a torcer por ninguém na sexta-feira. "Vou ver o jogo de forma tranquila... Bom, vou ver se as minhas obrigações profissionais me permitirem claro... Só desejo que seja um grande jogo e que vença o melhor", diz.

E para quem pensa que o ambiente em torno deste clássico não costuma ser o mais desejável - e de facto não costuma... - Jesualdo contrapõe com o que se passa na Grécia. "Confrontos entre claques e bolas de golfe atiradas para o relvado? Bom, isso aqui não seria nada! Basta dizer que os adeptos do Panathinaikos não se deslocam quando o encontro é em casa do Olympiakos e o contrário também acontece. E aqui tudo pode acontecer: invasão de campo, jogo interrompido com lançamento de gás lacrimogéneo, etc...", atira.

Notícias: Benfica