Pinto da Costa: "Benfica é como os salários… vai tudo nos descontos"

Líder do FC Porto confirma que continuidade de Vítor Pereira não está assegurada. Leia os destaques.

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, deu esta quinta-feira uma entrevista à RTP. Entre vários assuntos, abordou a continuidade de Vítor Pereira, a saída de João Moutinho e James Rodríguez e as derrotas do Benfica.

Destaques da entrevista:

Vítor Pereira - “A única certeza que tenho é que o futuro deste treinador vai ser continuar uma carreira vitoriosa. É uma pessoa extremamente competente e profundamente conhecedora do futebol. Não posso dizer se continuará ou não no FC Porto, porque ainda não está decidido. Combinámos durante a época que falaríamos quando acabasse o campeonato. Ontem [quarta-feira] almocei com ele e estivemos a analisar. Não se falou de dinheiro. É importante perceber quais as vantagens e desvantagens para ele e para o clube da sua continuidade e concluímos que há vantagens e desvantagens. Ele ficou de pensar. Para a semana voltamos a reunir-nos para decidir. Apesar de haver vontade de ambas as partes para continuar com o projeto, treinador e presidente têm de ter a certeza de que há condições para resultar positivamente”.

Outros treinadores – “Foram-me oferecidos muitos treinadores há meses, nunca aceitei falar com nenhum. Houve treinadores que me contactaram e a quem sempre dissemos que era uma questão para tratar no final da época. Não conheço qualquer treinador português ou estrangeiro que não gostasse de treinar o FC Porto. Aqui qualquer treinador é mais facilmente campeão porque tenho muito cuidado na escolha do treinador, que vejo que tem condições para triunfar. É mais fácil vencer do que escolher à sorte”.

Moutinho, James e o Mónaco - “Tinha dito a todos os empresários que me contactaram que não aceitava falar com ninguém sobre a saída de jogadores enquanto decorresse o campeonato. Queria-os concentrados e não queria qualquer fuga. Só no domingo à noite é que soube que o Mónaco poderia estar interessado. Neste momento decorrem negociações, mas não está nada concretizado. 70 milhões? Não confirmo. Há várias nuances”

Derrotas do Benfica – “Perder nos descontos não é por acaso. Os nossos jogadores estão mentalizados para vencer. Acreditar que se vai vencer é fundamental. Quando chegam aqui compreendam bem que não há vitórias morais. Os jogos normalmente acabam aos 93 minutos. Até o árbitro apitar é preciso acreditar sempre e é como se diz agora por brincadeira do Benfica, que é como os salários… vai tudo nos descontos. Jorge Jesus não tem culpa que os jogadores possam ter alguma desconcentração“.

Luís Filipe Vieira - "Que Deus o tenha muitos anos à frente do Benfica, e com saúde".

Arbitragens – “Espero que durante os próximos 20 anos se atribua aos árbitros as responsabilidades. É sinal de que perdem. Ninguém é capaz de assumir os erros, Espero que se continue a falar disso por muito tempo. É preciso uma nuvem para tapar as derrotas e os insucessos".

Campeonato sério – "Este campeonato provou seriedade. O Olhanense jogou no Dragão e empatou. O guarda-redes [Bracali] fez uma grande exibição e é nosso. O Sporting de Braga contratou o guarda-redes ao Paços de Ferreira, clube com quem disputou o terceiro lugar, e o jogador foi importantíssimo a desfavor do Braga. São provas de um campeonato sério"

Sucessão na presidência - "O FC Porto não é uma monarquia. Indicar alguém? Nem tenho esse direito. Não o farei em qualquer circunstância. Tenho 14 vice-presidentes e todos estão debaixo de olho. A maioria deles se quiser assumir quando eu terminar o meu trabalho podem fazê-lo. Mas se houver dois candidatos, um no qual acredito e outro que vai ser uma desgraça, é óbvio que vou apoiar um".

Museu – “O meu sonho concreto e real, e uma das razões pelas quais me recandidato, é a inauguração do museu do FC Porto no Dragão. Não quero um armazém de taças como o FC Porto já teve. Vamos ter um museu do melhor que há no Mundo".

Notícias: Benfica