Processo do Banco Dexia contra Veiga suspenso


Processo do Banco Dexia contra Veiga suspenso
Foi suspenso o julgamento em que José Veiga é acusado pelo Banco luxemburguês Dexia de ter desviado 1,482 milhões de euros de contas de clientes da Instituição bancária. O ex-director geral da Luz devia começar nesta terça-feira a ser ouvido no Tribunal de Cascais, mas a Agência Lusa apurou que o processo foi suspenso «sem que os seus intervenientes tenham explicado as razões». De notar que o Dexia é o mesmo banco onde foi depositada a primeira fracção do pagamento feito pelo Sporting na transferência de João Pinto em 2000, processo no qual Veiga é também arguido por burla qualificada.


No âmbito do caso movido pelo Dexia, o antigo empresário de futebolistas terá contado com a colaboração de um ex-funcionário da Instituição bancária, Theo Malget, que chegou a cumprir pena de prisão no Luxemburgo, para consumar a suposta burla entre 10 de Junho de 2002 e Maio de 2003. Veiga alega que a verba em causa se destinava à aquisição de acções da Superfute, a sua empresa que entretanto faliu.
Após uma providência cautelar movida pelo Banco Veiga viu o recheio da sua casa arrestado pelo Tribunal, o que motivou a sua demissão do cargo de director geral do Benfica. Depois da saída da Luz, Veiga viria a ser constituído arguido no âmbito da transferência de João Pinto para o Sporting no Verão de 2000, sendo acusado de burla qualificada pelo alegado desvio de 3,3 milhões de euros.

Notícias: Benfica