Ramires: Com Jorge Jesus "não há muita abertura"

Ex-jogador do Benfica constata que o comandante das águias "impõe", enquanto André Villas-Boas "escu

O médio brasileiro Ramires considera que Jorge Jesus e André Villas-Boas "são diferentes e não dá para comparar". O jogador do Chelsea fala do seu atual técnico e do treinador que o comandou quando esteve no Benfica, em entrevista ao jornal O Jogo.

"A grande diferença em relação a Jorge Jesus é que o André escuta", revela Ramires, notando que o ex-treinador portista "chega e conversa, ouve o que jogador tem para dizer". Já "Jorge Jesus impõe as coisas, nós temos que fazer e nada mais", sustenta, realçando que "não há muita abertura". "O André é de sorrisos, de brincar", revela ainda.

Ramires não deixa contudo de notar que foi "muito feliz" com Jesus na Luz, sustentando que foi ele quem lhe deu "a oportunidade" e que só pode "falar bem dele". "Não foi à toa que ganhou o título em Portugal", nota.

Quanto a Villas-Boas, Ramires repara que "a forma como ele trata os jogadores, dentro e fora de campo, é única". "Ele trata todos de forma igual, independentemente de ser A, B ou C, de ser mais ou menos famoso", diz, acrescentando que "é importante quando chama os jogadores a um canto para conversar com eles e ouvi-los". "Todos os dias ele conversa com um, com outro, prontifica-se para ajudar se o jogador está em baixo, tenta saber os problemas", conta também, concluindo que "como pessoa é extraordinário e como técnico também é admirável".

Confrontado com a irregularidade do Chelsea nesta temporada, Ramires refere que "faz parte do processo de renovação" e entende que "é uma injustiça muito grande responsabilizar o treinador por tudo que acontece com uma equipa". "Ele faz o que pode até à hora que os jogadores entram em campo", frisa, relevando que a imprensa inglesa "não critica só o treinador, mas também alguns jogadores".

Notícias: Benfica