Dois pesos, duas medidas

Falo em concreto daqueles que são sempre inocentes, e daqueles que são presumivelmente culpados.Para dar um exemplo, hoje é impossível alguém insinuar que Pinto da Costa está inocente sem ser imediatamente enxovalhado em público. No entanto o mesmo nunca foi condenado, e sempre venceu todos os processos de difamação, incluindo o famoso "Barata" dos Algarves.Por outro lado, é vulgar usar como sinónimos o "Apito Dourado", e as "trafulhices de Pinto da Costa", apesar de este nem sequer fazer parte dos acusados. Quantas vezes não se lê neste Relvado que o presidente da federação é testemunha de Pinto da Costa, ou que este se explorou buracos na Lei para se esconder, referências ao processo sobre o Gondomar F.C.Outra vulgar acusação é a das famosas escutas, quando a única que é pública, e publicamente assumida pelos intervenientes é aquela entre Luís Filipe Vieira e o major Valentim Loureiro, em que o primeiro pede um arbitro e recusa outros.Pedia a ajuda dos Relvinhas para compreender porque é que uns são cronicamente inocentes, ao ponto de semanalmente andarem a levantar acusações. Porque é que alguns quando são obrigados a restituir o dinheiro que furtaram a um banco, ficam limpos de toda a culpa, e outros são à partida culpados de toda e qualquer suspeita, inclusive de processos judiciais dos quais nem sequer fazem parte.ee95104

Notícias: Diversos