FC Porto campeão nacional na Luz (crónica)

A cinco jornadas do fim, o FC Porto venceu o Benfica na Luz e conquistou o seu 25º titulo nacional.

O FC Porto sagrou-se campeão nacional 2010-2011 em pleno Estádio da Luz, ao bater o Benfica por 2-1, a cinco jornadas do fim. Passados 71 anos, os portistas voltam a conquistar um campeonato no reduto dos encarnados.

Num clássico emotivo, apaixonante e com muita tensão dentro e fora das quatro linhas, a equipa azul-e-branca mostrou o porquê de ser a nova campeã nacional. Entrou a todo gás na partida e com um minuto de jogo já tinha conseguido o primeiro canto.

A lesão de Maxi Pereira obrigou Jorge Jesus e mexer na defesa e colocar Airton como lateral direito. O brasileiro não se conseguiu adaptar ao lugar e pela frente teve Varela, um perigo na ala esquerda dos dragões.

A jogar no seu sistema habitual, a formação de André Villas-Boas chegou ao golo cedo. Aos 9’ Hulk lançou Guarín na direita, o colombiano faz um centro-remate, com o guarda-redes Roberto a ficar muito mal na fotografia, já que foi o espanhol que introduziu a bola na baliza encarnada.

A reacção dos homens da casa era atabalhoada e com pouca objectividade. Pablo Aimar não conseguia pegar no jogo encarnado, enquanto do lado contrário João Moutinho pautava todo o jogo portista alicerçado em Guarín e Fernando, passando pelos raides de Varela e pela luta de Falcao entre os centrais.

O golo do empate surgiu aos 17’ através de uma grande penalidade que deixou muitas dúvidas. Jara entrou na área e foi derrubado, Duarte Gomes não teve dúvidas e assinalou. Saviola estabeleceu a igualdade.

O golo fez com que os encarnados crescessem um pouco, mas a equipa nortenha controlava todas as operações. O jogo estava intenso e mais dividido que nunca, mas uma falha dos centrais do Benfica permitiu a Falcao aparecer isolado diante de Roberto, com o guarda-redes a cometer grande penalidade.

Hulk foi chamado a converter e não falhou, marcando o seu 21.º golo na Liga. Nos festejos, o brasileiro correu para o banco para abraçar Sapunaru.

Antes do intervalo, o Benfica dispôs apenas de uma oportunidade clara de golo, após um remate de Saviola, mas Helton defendeu.

 

Expulsões e emoção até ao fim

No início do segundo tempo, Jorge Jesus fez duas substituições: Aimar por César Peixoto e Jara por Cardozo, mas os encarnados denotavam muita pressão no seu jogo e não se conseguiam libertar dela.

O FC Porto mostrava com o decorrer dos minutos que o título estava cada vez mais perto. Falcao teve nos pés a sentença, mas atirou ao lado depois de um falhanço de Sidnei. A expulsão de Otamendi deu algum alento aos benfiquistas, mas apenas aos da bancada. Com dez, Villas-Boas tirou Varela e colocou Maicon para continuar com uma linha de quatro defesas.

Como se não bastasse, Airton saiu lesionado e Jesus teve que remendar outra vez. Jardel entrou para o seu lugar, passando Sidnei para defesa direito, mas o título estava quase a ser entregue.

Até ao final, destaques para a expulsão de Cardozo e para a bola ao poste de Gaitán, que deu para dar mais alguma emoção num clássico em que houve golos, polémica, expulsões e o FC Porto campeão. O campeão já está encontrado, falta saber se vai acabar o campeonato sem nenhuma derrota.

Ficha do jogo