Homenagem de um rival a João Rocha

João Rocha liderou um Sporting forte e independente, um verdadeiro rival que não mais existe.

Na perspetiva de um Benfiquista, João Rocha foi sem dúvida o melhor presidente que o rival Sporting já teve. João Rocha liderou um Sporting forte e independente, unido e coeso, um verdadeiro rival, que não mais existe.

João Rocha, entre inúmeros feitos, trouxe a democracia ao Sporting, conseguindo alterar os estatutos de forma a que os órgãos sociais fossem escrutinados pelos sócios e não indicados pelo Conselho Leonino. Nos primórdios da nossa democracia, João Rocha conseguiu fazer uma transição pacífica de um Sporting ligado ao regime do Estado Novo para um Sporting mais moderno e popular, através da massificação das modalidades. Os seus feitos foram de grande valia, e o Sporting conquistou diversos títulos internacionais nas modalidades amadoras que em muito prestigiaram o nosso país.

Correm rumores de que João Rocha esteve em vias de contratar para treinador o falecido Pedroto, mas que o negócio se inviabilizou porque o treinador exigia que houvesse um petty cash para garantir resultados, o que ia contra a conduta moral do ex-presidente do Sporting. João Rocha sempre se manifestou contra a subserviência do Sporting ao FC Porto e ao seu presidente Pinto da Costa. No início dos anos 80, houve diversas quezílias entre os dois dirigentes que custaram ao Sporting a perda de alguma influência no futebol português.

Foi um acérrimo opositor ao projeto Roquette, nomeadamente à extinção de modalidades amadoras, delapidação de património e o pacto secreto com o FC Porto, o que lhe custou o afastamento do Conselho Leonino.

Com João Rocha, o Sporting era um verdadeiro candidato ao título e um verdadeiro rival. Presto deste modo a minha mais sincera homenagem a este grande Homem, que no final da sua vida muito deve ter sofrido com o definhamento do seu Sporting.