E porque não o renascimento da Taça das Taças?

As regras das competições europeias perderam alguma lógica e justiça.

Há uns anos, a antiga Taça dos Campeões Europeus era apenas jogada com os clubes vencedores dos campeonatos dos diversos países europeus. Tinhamos também a Taça das Taças, para os vencedores das Taças de cada país. Estas eram as duas maiores competições a nível europeu, que davam acesso à final da Supertaça europeia. Ou seja, a Taça dos Campeões Europeus e a Taça dos Vencedores das Taças. Isto sim, era o mais lógico na minha opinião.

A Taça UEFA era a competição que não tinha tanto prestígio, comparado com as outras duas provas. Já que era a competição em que os clubes participantes nada tinham ganho. Mas não deixava de ser uma competição em que participavam grandes equipas, visto que na Taça dos Campeões europeus apenas ia uma equipa por cada país.

Atualmente, com o alargamento da atual Liga dos Campeões, a atual Liga Europa acabou por empobrecer face a esse facto. Terá lógica uma competição que é considerada por muitos a 2.ª divisão da Europa colocar uma equipa na final da Supertaça europeia? Que eu saiba, as finais das supertaças nacionais não são jogadas entre o vencedor do campeonato da 1.ª divisão e o vencedor da 2.ª divisão...

Por exemplo: quantas taças europeias tem o Atlético de Madrid desde há 10 anos? E quantas taças europeias tem o Real Madrid precisamente nos últimos 10 anos? E nesse espaço de tempo, quantos campeonatos ganhou o Atlético de Madrid e o Real Madrid? Quantas vezes estes dois clubes de Madrid passaram a fase de grupos da Champions? Não haverá uma certa injustiça pelo facto de uma equipa que passa a fase de grupos da Champions, mesmo que seja eliminada mais tarde, não tenha a possibilidade de ganhar uma prova europeia, ao contrário das equipas que ficam em 3.º lugar nos seus respetivos grupos? E mais, têm a possibilidade de ganhar duas: a Liga Europa, e consequentemente a Supertaça Europeia. Na minha opinião, não faz sentido.

O que deveria acontecer era o regresso da Taça das Taças. E, quem sabe, se cada país pudesse acrescentar a Taça da Liga, participariam duas equipas por cada país. Decerto que daria uma interessante competição. E esta sim, seria a prova que daria acesso à final da Supertaça Europeia. Até os próprios clubes que não pudessem lutar pelo título nacional teriam uma maior entrega nas Taças nacionais. E mesmo os que lutam pelo título de campeão nacional não abdicariam das Taças nacionais. Decerto seria mais épico, e valorizava ainda mais essas provas nacionais.

Quem ganhasse o campeonato e uma das taças, jogaria na Liga dos Campeões. Mas se a equipa fosse eliminada até uma determinada fase da Champions, poderia ter uma palavra na Taça das Taças, visto que venceu no ano anterior as duas competições. E quem fosse eliminado da fase de grupos, sem ter ganho nenhuma “dobradinha”, ficava por ali a sua carreira europeia nessa época.

Não quero com isto dizer que a Liga Europa não é uma prova difícil. Claro que é! Por exemplo: em Portugal, só por 5 vezes equipas portuguesas chegaram à final. E só uma equipa a conseguiu vencer por duas vezes. Só acho que atualmente, e desde há uns anos quando extinguiram a Taça das Taças, as regras das competições europeias perderam alguma lógica e justiça em vários aspetos. Mas como o que vale no futebol é o dinheiro, provavelmente, o atual formato das competições europeias é mais rentável para muitos.