FC Porto em noite não sofre mas vence na Áustria

Valeu o golo de Lucho, porque a exibição foi paupérrima. O que achou do jogo?

Um FC Porto muito abaixo do habitual entrou esta quarta-feira a ganhar na Liga dos Campeões, vencendo fora o Áustria de Viena por 1-0. Valeu o golo de Lucho González, porque a exibição, essa, foi para esquecer.

Esta foi, seguramente, das noites mais sombrias dos dragões nos últimos anos. Uma equipa lenta, sem chama, a léguas daquilo a que habituou a Europa do futebol. O triunfo acaba por ser lisonjeiro e penalizador em excesso para a equipa da casa.

Com um jogo direto, quase à inglesa, o Áustria surpreendeu os azuis e brancos desde os primeiros minutos. Na primeira parte, o meio-campo portista não marcou como devia – a exibição de Josué e Fernando foi para esquecer e sentiu-se a falta de Defour - e deu espaços que os austríacos aproveitavam para lançar venenosos ataques, colocando a bola de pronto no ponta-de-lança (Hosiner revelou qualidade) ou nos extremos, que bateram vezes sem conta Alex Sandro e Danilo. No centro da defesa, Otamendi mostrou igualmente insegurança quase inédita.

Nas poucas vezes em que os comandados de Paulo Machado chegaram à frente, pouco perigo criaram. Jackson esteve desinspirado e individualista, Varela e Licá apenas um pouco melhor.

O intervalo chegou sem golos, mas se a pontaria dos homens da casa fosse outra, a história seria sem dúvida diferente.

A palestra de Paulo Fonseca ao intervalo terá surtido efeito, porque o FC Porto esteve um pouco melhor na segunda parte. Ainda assim, muito longe do FC Porto que todos conhecemos. 

Aos 55 minutos, Lucho concluiu da melhor forma um centro de Danilo. Pensou-se que os azuis e brancos iriam acalmar e ganhar confiança mas não foi isso que aconteceu. Os austríacos não desistiram e logo a seguir Stankovic acertou no poste.

Até aos últimos 15 minutos, o Áustria esteve sempre por cima do jogo e mais perto de empatar do que de sofrer o segundo golo. Pouco a pouco, no entanto, foi naturalmente perdendo forças, o que permitiu aos portugueses conseguirem finalmente controlar as operações nos minutos finais – muito devido às substituições operadas pelo técnico, que tirou os extremos Licá e Varela e colocou Izmaylov e Herrera, para reforçar o meio-campo.

Segue-se o Atlético de Madrid, no Dragão. O FC Porto terá de mostrar outra qualidade se pretende somar mais uma vitória. 

Equipas:

Áustria de Viena - Lindner; Koch, Rogulj, Ortlechner e Suttner; Stankovic, Holland (Okotie, 84’) e Mader; Royer, Hosiner (Kienast, 84’) e Jun (Simkovic, 68’).
Suplentes: Grunwald, Rotpuller, Leovac, Simkovic, Dilaver, Okotie e Kienast.

FC Porto - Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Lucho (Quintero, 87’) e Josué; Varela (Herrera, 79’), Licá (Izmaylov , 67’) e Jackson.
Suplentes: Fabiano, Fucile, Reyes, Herrera, Quintero, Izmaylov e Ghilas.

Notícias: Porto