José Peseiro foi apresentado oficialmente

Novo treinador do FC Porto só pensa em ganhar tudo até final da temporada.

José Peseiro foi esta quinta-feira apresentado como novo treinador do FC Porto para o próximo ano e meio, ficando ainda pendente mais um ano por opção.

Em jeito de lançamento para o que pretende para os dragões sob o seu comando, deixou alguns tópicos a reter:

"O que é preciso mudar? Já se mudou de treinador. Tenho as minhas ideias sobre o treino, o jogo, sobre liderança e fatores de sucesso. Sei das exigências para estar neste clube mas não será difícil porque quero vencer e o FC Porto também.

" Vim com as minhas ideias, não vou ter de agarrar nas ideias do antigo treinador. Tenho uma forma de liderar, de treinar e de ver o jogo diferentes. Não digo que é melhor ou pior, é diferente. Não vou refugiar-me em coisas que não são minhas. Queremos mudar porque tenho outra ideia. Se fosse para aplicar outra ideia, vinha outro treinador."

"Disse aos jogadores que queremos ser campeões, ganhar a Liga Europa e a Taça de Portugal - não faz sentido pensar de outra forma. Mas os objetivos dividem-se em etapas e a mais importante é a próxima, que é o jogo com o Marítimo. Todos estamos focados nesse jogo de forma responsável e confiante."

"Sei da exigência e da responsabilidade que é ser treinador do FC Porto, clube que dominou o futebol português nos últimos 30 anos. Sei também da minha competência e capacidade como treinador. Tenho jogadores de grande qualidade, um clube organizado e estruturado ao mais alto nível. Vamos lutar pelos objetivos traçados desde o início da época. Estou aqui para ajudar o clube e os jogadores a vencerem. Acredito nisso e foi esse o objetivo com que me comprometi com o presidente (Pinto da Costa): colocar o FC Porto no lugar que a instituição merece. Obrigado por confiarem em mim, tenho certeza que não vou deixar ficar mal."

"Fundamentalmente, há essa mudança em termos anímicos. A três dias do jogo (com o Marítimo) não há muito para mudar. Importante é que os jogadores percebam e sintam que têm qualidade. Podem estar desconfiados mas sabem o valor que têm e é o momento de pensarem nas coisas positivas. Os nossos jogadores tem capacidade de superação e, em dois ou três dias, o vão encontrar o equilíbrio emocional. Se achasse que não podia ter sucesso, não vinha. Acredito que a minha mensagem vai passar. Passo a passo, sabendo que os jogadores são bons e têm capacidade de aprender depressa. Com os ‘timings’ certos, vamos conseguir mudar o que é importante e encontrar o caminho para o sucesso."

"Os jogadores confiam na competência que têm, sabem da exigem que é estar num clube desta dimensão mas, fundamentalmente, sabem que estão aqui porque são bons e têm valor. Estão nas meias-finais da Taça de Portugal, por um pouco não passaram à fase de grupos da Champions, sabem que estão a apenas a cinco pontos do primeiro lugar e que já estiveram na liderança. Há momentos menos bons, de alguma perturbação, mas queremos resolver essa parte da confiança dos jogadores. Tenho uma equipa e jogadores com muito entusiasmo, com grande disponibilidade, para cumprir o que queremos. E o quero é um jogador ativo, participativo – não quero marionetas – quero jogadores afirmativos os poder colocar no caminho que entendo ser o indicado para o clube."

"Não é fácil, num clube desta dimensão, que todos os portistas possam estar totalmente satisfeitos. E ainda bem. Mas é o momento, e eles (adeptos) sabem disso, em que precisamos deles. Precisamos do estádio cheio, da emoção e do envolvimento, precisamos estar mais unidos que nunca. Há muita gente que não gosta que o FC Porto ganhe, temos muitos adversários e não queremos que os adversários sejam os portistas. Temos de estar unidos, juntos, porque sabem que assim seremos mais fortes e menos suscetíveis as coisas menos boas."

"Fui contactado pelo presidente na manhã a seguir ao empate com o Rio Ave (6 de janeiro) em casa. O presidente perguntou-me se acreditava no projeto do FC Porto e se estava disponível para me envolver num projeto vencedor. Nesse dia, eu e o presidente falámos sobre outras coisas. Ficou acertado entre nós que a seguir ao jogo da Taça com o Boavista voltaríamos a falar para ultimar outras coisas importantes. São conversas com administração. Se for buscar jogadores, não é por desconfiar dos que temos. O mais importante são os que cá estão."

Notícias: Porto