Cartão Roxo: Sente-se falta de Matheus no Sp. Braga e Jardim ainda não convenceu

"Com FC Porto, Benfica e Sporting em ‘épocas normais’, o S

A pergunta do leitor:

Caro Rui,

Parece-me que o Sporting de Braga não tem a mesma força do ano passado. Será que os jogadores estão a sentir a falta de Domingos? Acredita que Leonardo Jardim ainda vai conseguir recolocar a equipa no caminho certo, ou vamos voltar a ter uma luta entre os três de antigamente?

Cláudio Costa

 

 

A resposta de Rui Santos:

Caro Cláudio,

Sejamos claros: com FC Porto, Benfica e Sporting em ‘épocas normais’, o Sporting de Braga terá sempre muita dificuldade em ficar acima do 3.º lugar na Liga portuguesa.

Com Domingos, há duas épocas, numa temporada em que o Benfica foi campeão e exibiu futebol de grande dimensão técnico-táctica, o Sp. Braga rompeu com essa lógica. Com muito mérito do treinador, da equipa e do seu presidente, António Salvador.

Depois do ‘improvável’ 2.º lugar na Liga, o Sp. Braga realizou notável carreira europeia, sucumbindo apenas na final da Liga Europa, perante o FC Porto.

Duas épocas de grande significado: uma boa herança para o sucessor de Domingos (Leonardo Jardim) mas também uma grande responsabilidade.

Domingos Paciência fez um belo trabalho no Sporting de Braga, à semelhança do que havia acontecido com alguns dos seus antecessores, designadamente Jesualdo Ferreira e Jorge Jesus.

Não esquecer, todavia, os critérios utilizados pela SAD bracarense na construção do plantel: boas compras, boas vendas e... equilíbrio no plantel, em todos os sectores.

Nas últimas temporadas, o Sp. Braga adquiriu e deu estabilidade a um naipe muito interessante de jogadores, do meio-campo para a frente. Vendeu quando tinha de vender, não entrou em loucuras e compensou, na medida do possível, as saídas.

Domingos Paciência conseguiu assinalável nível de entrosamento/aproveitamento dos recursos colocados à disposição, mas, a certa altura, perdeu a confiança do presidente António Salvador, confrontado com alguns problemas de balneário. Quando o Sporting surgiu no caminho de Domingos (através do candidato Godinho Lopes, que arrastou consigo Luís Duque), ainda o Sp. Braga não estava lançado para uma tão arrebatadora campanha europeia. Ainda Domingos estava em Braga, ainda Domingos não estava na final da Liga Europa e já Leonardo Jardim, muito elogiado por Pinto da Costa, era achado como a solução de Salvador para 2011-12.

Em Braga, um tanto prematuramente, formara-se a ideia de que ‘o ciclo de Domingos’ se esgotara. E o que aconteceu então? A defesa perdeu Artur (para o Benfica), Miguel Garcia, Paulão, Rodríguez (para o Sporting) e Sílvio -- e teve de se reconstruir em pouco tempo, fundamentalmente, com Quim, Baiano, Viniciuis, Ewerton e Elderson. Com bons resultados, acrescente-se.

Vandinho também era uma ‘pedra’ de grande valor táctico no ‘onze’ de Domingos. Agora é Djamal a fazer as ‘despesas’ no meio-campo defensivo, com a preciosa e complementar ajuda de Hugo Viana, o jogador mais esclarecido do Sp. Braga nos tempos que correm e seguramente um dos mais influentes.

Os bracarenses têm, no ataque, Alan, Lima e Hélder Barbosa, que transitaram todos do plantel de Domingos Paciência, têm ainda Nuno Gomes e Mossoró, e pode dizer-se que não conseguiram arranjar substituto para um jogador crucial: Matheus. Sente-se a falta do brasileiro, desde que saiu em Dezembro de 2010... Daí, talvez, a ausência de ‘poder de fogo’ no sector atacante. As mudanças de velocidade deixaram de se ver do meio-campo para a frente... Falta ‘explosão’.

Quanto a Leonardo Jardim, ainda não convenceu. A equipa, em muitos jogos, não consegue exibir o dinamismo de outros tempos. Apaga-se com facilidade.