O eixo (europeu) Braga-Porto

Três equipas portuguesas na Liga Europa, três bons desempenhos, três bons resultados. Melhor o do

Sp. Braga em grande estilo e Domingos volta a sorrir: triunfos sobre o Benfica e o Liverpool, consecutivamente, não estão ao alcance de todos. É também uma vitória pessoal, quando se põe em causa a sua continuidade entre os minhotos.

O FC Porto, com Hulk ‘em quebra’, volta a mostrar ordem e organização. Colombianos em foco: mais Guarín, muito Falcao, James q.b.

Boa leitura táctica de Villas-Boas, nas correcções que foi fazendo ao longo do jogo.

A solidez do FC Porto vai ficar como ‘imagem de marca’.

O eixo Braga-Porto tem dimensão europeia.

O Benfica parece uma equipa cansada e, ao longo de vários períodos da hora-e-meia, a jogar com o coração, contra as suas próprias poucas forças, mas existe um mecanismo interno que faz o Benfica ir buscar reservas de energia não se sabe bem onde e acabar os encontros a contrariar a exaustão, lutando, lutando sempre e dando uma imagem de enorme inconformismo e doação.

Nota final: a acção dos juízes de baliza. Só Platini vê neles profunda utilidade. Os Clubes, as Federações e as Ligas devem tomar posição. Já chega de tanto engano. O autismo de Platini contraria-se com protesto(s) e urbanidade.