O regime da Arbitragem está caduco e obsoleto

Expulsões, sim ou não?

Meu caro,

O que sugere representa forte ‘input’ no processo de reformulação das Leis do Jogo que a FIFA e a International Board se recusam a abordar em profundidade. Antes de chegarmos a esse nível de discussão (mais detalhado), muita água tem de passar debaixo das pontes.

Há que ter em atenção as origens do jogo e àquilo que fez dele um êxito à escala universal. Esse reconhecimento deve ser feito.

Respeitando sempre a história do futebol, o que tenho defendido nos mais diversos fóruns públicos é a necessidade de modernização da modalidade. E a importância que os mecanismos de avaliação e escrutínio da Arbitragem assumem na relação que se pretende estreitar com o conceito da 'verdade desportiva'.

Há um fundamento incontornável a partir do qual a FIFA e UEFA ficam sem argumentos: hoje tudo é mais rápido; hoje tudo é mais escrutinado. As novas tecnologias têm uma grande incidência nas sociedades modernas e devemos potenciá-las... a nosso favor.

Mas já todos percebemos que a FIFA e a UEFA não querem perder o seu ‘magistério de influência’ sobre os árbitros e a Arbitragem. E isso é mau porque aumenta a suspeição e retira credibilidade ao futebol.

É preciso, por isso, fortalecer o movimento de cidadania e opinião no sentido de combater o regime, que está caduco e obsoleto.

 

(Rui Santos escreve de acordo com a grafia do português pré-acordo ortográfico)