Três jogos que mudaram o destino de Portugal

Islândia-Áustria, Croácia-Espanha e França-Alemanha.

São três jogos que definiram muito do que foi o percurso de Portugal no Europeu 2016. O que não é sinónimo de eliminação precoce, caso o trajeto tivesse sido outro. Porque Portugal poderia ter derrotado Inglaterra, Espanha, Itália ou mesmo a Alemanha. Mas nem defrontou nenhum desses "grandes" do futebol europeu, rumo ao título. Porquê?

Primeiro, por causa do tal golo da Islândia nos descontos do duelo com a Áustria, na última jornada da fase de grupos. Os islandeses ganharam, ficaram no primeiro lugar do nosso grupo e por isso defrontaram, de forma consecutiva Inglaterra e França. Ganhou primeiro, perdeu depois. No "lado islandês" dos oitavos-de-final estavam cinco campeões do mundo: Alemanha, Itália, Espanha, França e Inglaterra. No "lado português", nenhum.

Segundo jogo fundamental: Croácia-Espanha, também na última jornada. Quer dizer, cronologicamente este até foi o primeiro. A partida, aparentemente, iria terminar com um empate e com a Espanha na liderança do grupo. Mas a três minutos do final os croatas marcaram e passaram para a frente do grupo - assim jogaram frente a Portugal nos oitavos-de-final, em vez da Espanha, que nos eliminou no Europeu anterior.

Terceiro jogo, já nas meias-finais: França-Alemanha. Claro que cada um tem a sua perspetiva mas parece-nos que a Alemanha, com todos os jogadores disponíveis (e com outro acerto na defesa, nesse encontro), teria vencido a França e seria um adversário mais complicado e traiçoeiro para os portugueses, na final.

Isto é tudo a conversa dos "ses"... O certo é que Portugal seguiu o seu percurso conforme o sorteio, nunca perdeu, fosse qual fosse o adversário, e por isso foi campeão europeu.

Notícias: Selecao