Irlanda 2-4 Portugal: Ronaldo vezes três

Só o madeirense foi protagonista maior que o árbitro do jogo desta noite.

Portugal ganhou frente à Irlanda no Norte por 4-2, nesta sexta-feira, num jogo complicado em Belfast. A turma lusa voltou assim à liderança provisória do Grupo F de qualificação para a fase final do Mundial 2014.

Com a base da equipa do Europeu 2012 - Vieirinha era a exceção, no lugar de Nani - a seleção lusa não começou bem. No meio da intensidade adversária os jogadores portugueses protestavam mais do que acertavam os passes; e a troca de bola não saía como o desejado. Mesmo num jogo mais físico do que técnico a primeira oportunidade de golo surgiu ao primeiro quarto de hora e pertenceu a Bruno Alves, que após um livre cobrado por Moutinho cabeceou pouco ao lado. Cinco minutos depois, nova jogada de bola parada, desta vez um canto, novo cruzamento de Moutinho e novamente Bruno Alves, perto da linha da área, a conseguir um remate muito bem colocado, inaugurando o marcador.

Mais cinco minutos volvidos, remate perigoso de Vieirinha para defesa complicada de Carroll; depois foi Meireles, que dentro da área perdeu o momento de remate. No último quarto de hora os portugueses descansaram em demasia, os irlandeses foram subindo e quase marcavam numa falha defensiva de Coentrão, que esteve muito incerto no primeiro tempo (foi talvez o pior luso). Aos 35', pontapé de canto e McAuley igualou, de cabeça. Postiga respondeu, quase marcava, mas Carroll protagonizou uma bela defesa. Foi o último momento ofensivo do avançado do Valência, que pouco antes do intervalo foi expulso por encostar a cabeça a um adversário e o árbitro - que já não pareceu muito "amigo" de Portugal desde os instantes iniciais, em pequenas faltas e noutras decisões menores - mostrou o cartão vermelho a Postiga.

Ronaldo a brilhar e duas expulsões - Mesmo com um jogador a menos os homens de Paulo Bento apareceram decididos na segunda parte, prontos para mudarem o rumo do encontro, mas aos seis minutos Ward, num pontapé de canto, apontou o 2-1. Um golo que não deveria ter sido validado, já que o irlandês estava em fora-de-jogo, nem Rui Patrício estava atrás de si; uma decisão um pouco incompreensível, já que o árbitro assistente não tinha qualquer obstáculo à sua frente. E Portugal tremia: vários passes errados no meio-campo e o ataque não funcionava, já que Ronaldo, Vieirinha e mais tarde Nani perdiam a bola em diversas jogadas, sozinhos. Houve nova mudança de cenário aos 60 minutos quando Brunt foi expulso ao ver o cartão amarelo pela segunda vez devido a falta sobre João Pereira.

A seleção portuguesa, agora com um pouco mais espaço, subiu no terreno. Miguel Veloso e Nani, com remates de longe, ameaçaram Carroll, que respondeu à altura, mas foi em novo pontapé de canto que surgiu mais um golo: desta vez foi Ronaldo o melhor nas alturas, aos 67'. Dez minutos depois, cruzamento de Coentão e o madeirense, novamente de cabeça, deu a volta ao marcador. Aos 82 minutos, e já contra nove elementos devido à expulsão de Lafferty (mais uma entrada perigosa sobre João Pereira), livre direto à entrada da área e "hat-trick" para Cristiano Ronaldo, que pouco depois saiu sob uma salva de palmas geral vinda das bancadas.

Portugal agradeceu a eficácia de Ronaldo - três remates à baliza, três golos - e conseguiu assim concretizar a superioridade demonstrada na segunda parte, a partir da expulsão de Brunt, depois de um primeiro tempo cinzento. As contas do apuramento continuam dentro do previsto: são 17 pontos no grupo, mais dois que a Rússia, que tem um jogo a menos.

Equipas:

Irlanda do Norte
Carroll
Hodson, McAuley, Evans, Ferguson (Baird)
McGinn (Lafferty), Davis, Patterson, Brunt
Norwood, Ward (Evans)

Portugal
Rui Patrício
João Pereira, Pepe, Bruno Alves, Coentrão
Veloso, Moutinho, Meireles (Nani)
Vieirinha (Nélson Oliveira), Postiga, Ronaldo (Ruben Amorim)

Golos: McAuley (35'), Ward (51'); Bruno Alves (20'), Ronaldo (67', 76', 82')