Paulo Bento: "R. Carvalho desertou e foi à sua vida"

Selecionador nacional diz que o central "virou costas à seleção nacional e nunca mais será convocado

Paulo Bento arrasou Ricardo Carvalho na conferência de imprensa de antevisão com Chipre, depois do abandono do central à seleção nacional. "Ele desertou e foi à sua vida. Repudiamos o que é um virar as costas à seleção e ao país”, referiu. 

O treinador deixou a promessa. “Enquanto eu for selecionador, Ricardo Carvalho não jogará mais… Não faz qualquer sentido. A porta está fechada para ele", garantiu.

Paulo Bento confirmou que Ricardo Carvalho não iria ser titular no jogo com Chipre, mas negou qualquer desentendimento com o jogador. "De facto, ele não iria jogar de início. Também é um facto que dificilmente estaríamos preparados para uma situação destas.... Mas, temos de continuar o nosso caminho.... Eram 23 jogadores e agora são 22 disponíveis para ajudar Portugal, jogando de início, como suplentes ou na bancada", referiu.

O treinador português prosseguiu nas críticas a Carvalho: "O profissionalismo mede-se em todos os sítios onde se trabalha, quer seja nos clubes ou na seleção. Mas penso que deve haver um sentimento diferente quando se representa a seleção".

Paulo Bento ficou surpreendido com o facto do central ter abandonado a concentração. Até porque, diz, nada de anormal se passara antes. "Pode haver desentendimento quando as pessoas conversam, mas não houve conversa nenhuma... Ricardo Carvalho trabalhou na segunda-feira à tarde, cumpriu os dois treinos na terça-feira e na quarta comentámos que se tinha treinado bem", revelou.

O selecionador nacional pensa que a atitude de Ricardo Carvalho foi pensada e não terá sido assim tão repentina. "Ele perspetivou, por aquilo que viu nos treinos, que não iria jogar de início e fez um plano de fuga. Acho que não abandonaria o estágio se pensasse que seria titular. Não posso garantir que tenha sido uma decisão tomada a quente. Isto porque quem fez um comunicado como ele fez, poucas horas depois, é porque está consciente das suas motivações", defendeu.