Selecção: Madaíl poderá sair com Scolari após Euro 2008


Selecção: Madaíl poderá sair com Scolari após Euro 2008
O Euro 2008 marcará o fim de um ciclo na Selecção portuguesa. Luiz Felipe Scolari deixa a equipa das quinas, rumo ao Chelsea, e poderá ser acompanhado por Gilberto Madaíl. O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) deverá também bater com a porta ao cabo de 12 anos no poder. Em Outubro de 2007, Madaíl admitia que «seria muito bom sair com a vitória no Euro 2008». O dirigente também já expressou que não desejaria ser ele a escolher o sucessor de Scolari, tarefa que não se adivinha fácil...




Goste-se ou não do estilo, a marca de Scolari na Selecção portuguesa é evidente ao cabo de seis anos. O treinador brasileiro não guiou ainda Portugal
a um título e tem no Euro 2008 a última oportunidade para tal, mas conduziu a equipa das quinas à final do Euro 2004 e às meias-finais do Mundial 2006
. Por muitos reparos que se lhe apontem, e por muito que ainda doam aqueles dois jogos perdidos com a Grécia no Europeu em Portugal, o sucesso terá que ser admitido.

O sucessor do "Sargentão" «vai ter uma pesada herança», afiançava Gilberto Madaíl em Maio passado, na mesma altura em que defendia a «preferência» por um treinador português para o pós-Scolari. Vários nomes despontam, mas não será fácil encontrar uma escolha que arranque unanimidade e com a mesma dose de carisma do técnico campeão do mundo com o Brasil. Talvez só José Mourinho fosse capaz de fazer esquecer, no imediato, Felipão. Esse Mourinho que Roman Abrahmovich procura fazer esquecer no Chelsea com a contratação de Scolari...


Ainda quando a saída de Scolari depois do Euro 2008 era uma mera previsão, Madaíl confessava em Abril de 2007 que esperava não ser ele a escolher o próximo seleccionador de Portugal. O dirigente admitia então que poderia não cumprir na íntegra o actual mandato, válido até 2009. «Tudo tem um princípio e um fim e só os ditadores saem por uma revolução ou com a morte... eu quero sair pelo meu pé», afiançava.

Na presidência da FPF desde 1996, depois de ter sido presidente da Mesa da Assembleia Geral da estrutura entre 1992 e 1996, Madaíl deverá aproveitar a "deixa" de Scolari para bater também com a porta. Será o assinalar do fim de um ciclo com o dirigente a considerar sobre a sua própria sucessão, em Outubro de 2007, que quem se lhe seguir terá também «uma pesada herança», denotando que «encontrará uma casa mais arrumada, um património e uma organização substancialmente diferentes».

Para Madaíl o futuro estará na UEFA, onde vem assumindo cargos de maior relevância, sendo neste momento o presidente do Comité das Competições de Selecções e um elemento do Comité Executivo.



Fotos: Lusa