FPF ameaça Vilanovense com sanções


FPF ameaça Vilanovense com sanções
A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) reage à providência cautelar interposta pelo Vilanovense com indignação e com a promessa de tomar medidas punitivas
contra o emblema de Vila Nova de Gaia. O Vilanovense contesta a despromoção às divisões Distritais e conseguiu para já suspender os sorteios para o campeonato da
III Divisão Nacional e para a primeira eliminatória da Taça de Portugal. A FPF acusa o emblema de «expedientes jurídicos descabidos» e ameaça com um castigo da Comissão Disciplinar.




Em causa neste caso está um alegado engano administrativo que terá motivado uma comunicação ao Vilanovense de que continuaria a jogar na terceira divisão. A FPF esclarece em
comunicado que o Vilanovense «foi o pior 11º classificado das
séries “A” a “F” da III Divisão Nacional
», facto que terá sido divulgado «no Comunicado Oficial nº 258, de 25 de Janeiro de 2007», aponta a estrutura, realçando que nesse
documento se asseverava a despromoção do emblema aos campeonatos distritais.

Posteriormente um funcionário da FPF terá endereçado ao Vilanovense um documento com «uma
informação incompleta
», relata a entidade, assegurando contudo que aí se remetia o emblema para o tal comunicado referido acima. «Como é evidente para todos quantos olharem
para este processo com boa-fé, uma informação emitida por um funcionário, mesmo que estivesse totalmente errada (o que não acontece) jamais se poderia sobrepor a um Comunicado
Oficial que aplica as regras aprovadas em Assembleia Geral da FPF
», acrescenta a estrutura que gere o futebol nacional.

Perante a providência cautelar interposta pelo clube de Vila Nova de Gaia, a FPF repara que este procedimento «prejudica todos os clubes participantes da III Divisão e
Taça de Portugal
» e acusa o Vilanovense de pretender «fugir às consequências desportivas de resultados menos positivos recorrendo a expedientes jurídicos perfeitamente descabidos».

A estrutura repara ainda que o clube viola o «artigo 18º da Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto» que respeita ao impedimento de recurso aos tribunais civis relativamente a
«decisões e deliberações sobre questões estritamente desportivas». Por isso, a FPF alerta que o seu Conselho de Disciplina vai «aplicar as medidas que considere adequadas». A
entidade avisa ainda que está «a estudar as medidas consideradas oportunas para reagir à providência cautelar apresentada pelo Vilanovense». Entre as possibilidades jurídicas que se apresentam
está o eventual recurso ao Interesse Público dos campeonatos nacionais, estratégia já utilizada pela FPF no âmbito do "Caso Mateus".


Notícias: Taça de Portugal